A cidade dos invisíveis: a transfobia como um instrumento de segregação social e urbana

Davi Miranda

Resumo


Este artigo surgiu das inquietações a respeito do que Henry Lefebvre em 1968 chamou de ‘direito à cidade’. Segundo o autor o trabalhador tem o direito de usufruir das qualidades e benefícios que a vida urbana proporciona. Apesar de válido, tal questionamento exclui as pessoas trans no que diz respeito ao direito à cidade. Compreende-se por pessoas trans o conjunto heterogêneo formado por travestis, por homens e mulheres transexuais. Ou seja, pessoas que vivenciam o gênero de maneira diversa ao que foi de socialmente imposto ao nascimento. A estas pessoas são atribuídas uma série de estigmas que produzem um complexo cenário de exclusão social e marginalização, que perpassa pelas ruas da cidade interferindo diretamente no modo como estas pessoas vivenciam a cidade.


Palavras-chave


transfobia, transgêneros, sociabilidade, urbanismo, direito à cidade

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5212/Rlagg.v.9.i2.0018

 

Revista Latino-americana de Geografia e Gênero  - UEPG
Fone: +55 (42) - 3220 - 3046
E-mail: generogeo@gmail.com