O que pode (n)um corpo, o que cabe nele – sabemos o que é um corpo travesti?

Adriana Sales, Wiliam Siqueira Peres

Resumo


Este texto busca estabelecer problematizações acerca das corporalidades travestis, as performances que estes corpos habitam nas relações políticas/culturais/sociais/estéticas e os rompimentos com os padrões biologizantes que se espera para os corpos binarizados. As possibilidades destoantes das vivências trans são os disparadores para ampliarmos os universos de referências sobre o que pode um corpo? O que cabe nele? Quais os dispositivos de resistências e fugas que essas pessoas articulam para garantirem sua manutenção das vidas potentes e a refuta para as capturas dos discursos que buscam, em muitas vezes, capturar outras vivências que não as esperadas pela sociedade patriarcal e machista; outros meandros e tecnologias que conectem os desejos, necessidades e anseios que necessitam de outras corporalidades para além do macho e fêmea, além do homem X mulher? Logo, mapear os discursos e narrativas das vozes travestis é fator fundante para que possamos garantir os novos saberes tão válidos quanto qualquer outro.


Palavras-chave


Corpos travestis; Corporalidades trans; Corpos dissidentes

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5212/Rlagg.v.9.i2.0014

 

Revista Latino-americana de Geografia e Gênero  - UEPG
Fone: +55 (42) - 3220 - 3046
E-mail: generogeo@gmail.com