Minha vida em cor de rosa: Cenas e encenações da transexualidade feminina na infância!

Megg Rayara Gomes de Oliveira

Resumo


No presente artigo discuto a transexualidade feminina na infância. Utilizo como objeto de análise o filme Minha Vida em Cor-de-Rosa (Bélgica, França, Reino Unido, 1997) e o documentário Meu Eu Secreto (Estados Unidos da América, 2007), procurando fazer uma relação com o debate atual sobre Ideologia de Gênero. Meu interesse, então, se concentra nas ideias centrais das duas produções, ou seja: a transição do gênero masculino para o feminino, a patologização e despatologização das identidades trans, a relação entre o sexo anatômico e identidade de gênero, violência simbólica, cis heteronormatividade e adultocentrismo. Para fazer esse debate recorro as reflexões de John Thompson (2009) sobre comunicação de massa e violência simbólica, os estudos de gênero e diversidade sexual, bem como os estudos pós-estruturalistas, especialmente a obra de Michel Foucault.


Palavras-chave


Identidade de gênero; Transexualidade; Infância; Violência simbólica; Sociedade

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5212/Rlagg.v.9.i2.0013

 

Revista Latino-americana de Geografia e Gênero  - UEPG
Fone: +55 (42) - 3220 - 3046
E-mail: generogeo@gmail.com