Os conceitos de campo e habitus em Pierre Bourdieu e sua (possível) aplicação à Política Educacional

Jorge Nassim Vieira Najjar, Marcelo Siqueira Maia Vinagre Mocarzel, Pablo Silva Machado Bispo dos Santos

Resumo


Resumo: O presente artigo dedica-se a demonstrar a possível aplicabilidade dos conceitos de habitus e campo, cunhados pelo sociólogo Pierre Bourdieu, à pesquisa em educação, em particular, àquela voltada para a política educacional no Brasil. Trata-se de um estudo teórico-epistemológico, que tanto possui características de análise bibliográfica, como também de pesquisa aplicada, na medida em que pretende interagir com as principais correntes de estudos epistemológicos da política pública, em especial, a educacional e com algumas das políticas recentes que se deram em nível nacional. Buscou-se situar o campo da política educacional brasileira a partir de um modelo tridimensional de análise, em que tanto agentes quanto estruturas – e também trajetórias – possam encontrar lugar em uma nova técnica de apreensão dos movimentos do campo educacional. Concluiu-se que a práxis política é entrecortada pelas condições dos agentes e, com isso, a própria compreensão epistemológica da política educacional depende de variáveis muitas vezes intangíveis, na medida em que são condicionadas pelo campo e pelo habitus.

 

Palavras-chave: Pierre Bourdieu. Pesquisa Educacional. Política Educacional.

 

Los conceptos de campo y habitus en Pierre Bourdieu y su (posible) aplicación a la Política Educativa

 

Resumen: El presente artículo se dedica a demostrar la posible aplicabilidad de los conceptos de habitus y campo, acuñados por el sociólogo Pierre Bourdieu, a la investigación en educación, en particular, a la orientada hacia la política educativa en Brasil. Se trata de un estudio teórico-epistemológico, que posee tanto características de análisis bibliográfico, como también de investigación aplicada, en la medida en que pretende interactuar con las principales corrientes de estudios epistemológicos de la política pública, en especial, la educativa y con algunas de las políticas recientes que se han dado a nivel nacional. Se buscó situar el campo de la política educativa brasileña a partir de un modelo tridimensional de análisis, en que tanto agentes como estructuras -y también trayectorias- puedan encontrar lugar en una nueva técnica de aprehensión de los movimientos del campo educativo. Se concluyó que la praxis política está entrecortada por las condiciones de los agentes y, con ello, la propia comprensión epistemológica de la política educativa depende de variables a menudo intangibles, en la medida en que están condicionadas por el campo y el habitus.

 

Palabras clave: Pierre Bourdieu. Investigación Educativa. Política Educativa.

 

The Pierre Bourdieu´s concepts of field and habitus and their (possible) application to Education Policy

 

Abstract: This article aims to demonstrate the possible applicability of the concepts of habitus and field, coined by sociologist Pierre Bourdieu, to research in education, in particular, that focused on educational policy in Brazil. It is a theoretical-epistemological study, which has both characteristics of bibliographical analysis and applied research, insofar as it intends to interact with the main currents of epistemological studies of public policy, especially, educational and with some of the policies that have taken place at the national level. We sought to situate the field of Brazilian educational policy from a three-dimensional model of analysis, in which both agents and structures - and also trajectories - can find place in a new technique of apprehension of the movements of the educational field. It was concluded that political praxis is broken by the conditions of the agents and, with this, the epistemological understanding of educational policy itself depends on variables that are often intangible, inasmuch as they are conditioned by the field and the habitus.

 

Keywords: Pierre Bourdieu. Educational Research. Educational politics.


Texto completo:

PDF

Referências


ALTMANN, H. Influências do Banco Mundial no projeto educacional brasileiro. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 77-89, jan./jun. 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/s1517-97022002000100005

AZEVEDO, J. A educação como política pública. Campinas: Autores Associados, 2004.

BACHELARD, G. A formação do Espírito Científico. Rio de Janeiro: Contraponto, 2001.

BALL, S. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 539-564, set./dez. 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/s0100-15742005000300002

BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Martins Fontes, 2001a.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001b.

BOURDIEU, P.; CHAMBOREDON, J.; PASSERON, J. O ofício de sociólogo. Petrópolis: Vozes, 2004.

BRASIL. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília, DF: Presidência da República; Câmara da Reforma do Estado, 1995. Disponível em: .

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei no 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014.

BRASIL. Lei nº 13.414, de 10 de janeiro de 2017. Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2017. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 jan. 2017.

CASSIRER, E. Uma filosofia das formas simbólicas. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CUNHA, L. A. Crise e reforma do sistema universitário (debate). Novos Estudos - CEBRAP, São Paulo, p. 143-168, n. 46, nov. 1996.

CURY, C. R. J. Direito à educação: direito à igualdade, direito à diferença. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 116, p. 245-262, jul. 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/s0100-15742002000200010

DI GIOVANNI, G. As estruturas elementares das políticas públicas. Cadernos de Pesquisa NEPP/UNICAMP, Campinas, n. 82, p. 1-29, 2009.

HOWLETT, M.; RAMESH, M.; PERL, A. Políticas públicas: seus ciclos e subsistemas, uma abordagem integral. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

HYPOLITO, A. M. Políticas curriculares, Estado e regulação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1337-1354, out./dez. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/s0101-73302010000400015

LANE, J. Bourdieu’s politics: problems and possibilitys. New York: Routledge, 2006.

OLIVEIRA, D. A. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação & Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127-1144, set./dez. 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/s0101-73302004000400003

OZGA, J. Investigação sobre políticas educacionais: terreno de contestação. Porto, Portugal: Porto Editora, 2000.

SANTOS, P. S. M. B. A Aplicabilidade dos conceitos de habitus e campo a um a pesquisa em História da Educação. Dialogia, São Paulo, v. 6, n. 2, jul./dez. 2007.

SANTOS, P. S. M. B. Questões polêmicas de política e legislação educacional. Curitiba: Editora CRV, 2012.

SANTOS, P. S. M. B. Princípios da metaciência social. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

SANTOS, P. S. M. B. Campo do poder, refração política e legislação educacional: notas para uma discussão da gestão democrática no Brasil. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 9, n. 4, p. 969-984, abr. 2014.

SANTOS, T. Teoria da dependência: balanços e perspectivas. Florianópolis: Insular, 2014.

SAVIANI, D. A nova lei da educação: trajetória, limites e perspectivas. Campinas: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2010.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão de literatura. Sociologias, Porto Alegre, v. 8, n. 16, p. 20-45, jul./dez. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/s1517-45222006000200003

SOUZA, S. Z. L.; OLIVEIRA, R. P. Políticas de avaliação da educação e quase mercado no Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, v. 24, n. 84, p. 873-895, set. 2003. DOI: https://doi.org/10.1590/s0101-73302003000300007

TEIXEIRA, A. Ciência e arte de educar. Educação e Ciências Sociais. v. 2, n. 5, p. 5-22, ago. 1957.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação, São Paulo: Atlas, 1987.




DOI: http://dx.doi.org/10.5212/retepe.v.4.005

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa

       

Resultado de imagem para relepe

_______________________________________________________________________

Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos en Política Educativa

ISSN 2409-3696

 

Licencia Creative Commons Esta obra está bajo una Licencia Creative Commons Atribución 4.0 Internacional.