AVALIAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO PLUVIAL PARASITÁRIA NO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO AFLUENTE À ETE GUAXINIM, DOURADOS/MS

Vinicius de Oliveira Ribeiro, Mirian da Silva Peixoto

Resumo


No Brasil, como previsto em normas técnicas, os sistemas de coleta e transporte de esgotamento sanitário são dimensionados pelo conceito de sistema separador absoluto. Contudo, muitos estudos comprovam que há contribuição de águas pluviais parasitárias nos sistemas, levando os coletores a funcionar como sistema separador parcial. A rede coletora no município de Dourados foi dimensionada usando o sistema separador absoluto, mas em dias de eventos pluviométricos, ocorrem incrementos na vazão afluente à Estação de Tratamento de Esgoto - ETE Guaxinim. Esta estação trata 40% dos esgotos da cidade de Dourados/MS, possuindo capacidade nominal de 120 L/s. Utilizando dados de vazão horária afluente à ETE e precipitação mensal do ano de 2016, foi possível quantificar o percentual de incremento à vazão média em relação ao período seco. Os resultados mostraram que existe uma forte correlação entre a o aumento da vazão média de esgoto sanitário e a pluviosidade quando comparado aos períodos secos, em cerca de 11%. Na análise da vazão em um dia de domingo seco (sem chuva) em relação a outro com chuva, esse percentual de incremento atingiu cerca de 39%, o que pode evidenciar uma grande influência da contribuição de águas pluviais parasitárias no sistema de esgotamento sanitário avaliado.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, R. O Esgoto Sanitário. In: NUVOLARI, A. (coord.). Esgoto Sanitário, Coleta Transporte, Tratamento e Reúso Agrícola. São Paulo: FATEC-SP CEETEPS, 2003, 520p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12207: Projeto de interceptores de esgoto sanitários. Rio de Janeiro, 1992, 3p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12209: Elaboração de projetos hidráulico-sanitários de estações de tratamento de esgotos sanitários. Rio de Janeiro, 2011, 53p.

GAUSSEN, H.; BAGNOULS, F. Estação seca e índice xerotérmico. Tradução de Ruth Simões Bezerra dos Santos. Boletim Geográfico, ano XX, n. 169, 1962.

DPI. Departamento de Informática. Universidade Federal de Viçosa. Capítulo 9 – Regressão linear e correlação. Disponível em http://www.dpi.ufv.br/~peternelli/inf162.www.16032004/materiais/CAPITULO9.pdf. Acesso em 03/06/2017.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Guia Clima. Dourados, 2017. Diponível em http://www.cpao.embrapa.br/clima/?lc=site/banco-dados/base_dados. Acesso em 14/05/2017.

FIETZ, C. R.; FISCH, G. F. O clima da região de Dourados, MS. 2 ed. Dourados: Embrapa Agropecuária Oeste. Embrapa (MS), Documentos 92, Abril de 2008. Disponível em https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/37989/1/DOC200892.pdf. Acesso em 24/05/ 2017.

GOOGLE EARTH PRO. Localização ETE Guaxinim. Disponível em . Acesso em 8/06/2017.

GREGORY, S. The definition of wet and dry periods for discrete regional units. In: Weather, 34, 1979.

GROEN. Diagnóstico Técnico Participativo. Groen Engenharia e Meio Ambiente Ltda. Plano Municipal de Saneamento Básico. Dourados, 2017. Disponível em http://www.dourados.ms.gov.br/wpcontent/uploads/2017/04/DiagnosticoTecnicoParticipativo.pdf. Acesso em 10/05/2017.

IBGE. Cidades. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=500370. Acesso em 03/06/2017.

IBGE. Geociencias: downloads. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em ftp://geoftp.ibge.gov.br/organizacao_do_territorio/malhas_territoriais/malhas_municipais/municipio_2015. Acesso em 03/06/2017.

MARCOS, M. Consumo diário de água em Dourados é de 165 litros por pessoas. O Progresso, Dourados, 03, maio. 2015.

METCALF & EDDY. Wastewater Engineering: Wastewater engineering – treatment, disposal and reuse. 3rd ed. New York, McGraw-Hill, 1991, 1334 p.

SANESUL. Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul. Esgoto. Sanesul, 2017. Disponível em http://www.sanesul.ms.gov.br/tratamento-de-esgoto. Acesso em 20/05/2017.

TSUTIYA, M.T.; BUENO, R.C.R. Contribuição de Águas Pluviais em Sistemas de Esgoto Sanitário no Estado de São Paulo. In: 23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. ABES, anais, Campo Grande, 2005.

TSUTIYA, M.T.; BUENO, R.C.R.; CINTRA, E.M.; REAMI, L. Contribuição de Águas Pluviais em Sistemas de Esgotos Sanitários. Estudo de Caso da Cidade de Franca, Estado de São Paulo. In: 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Joinville, Santa Cataria. Setembro, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


O CONTEÚDO DOS ARTIGOS É DE RESPONSABILIDADE EXCLUSIVA DOS AUTORES.