A CONSTRUÇÃO DE UMA IMAGEM MAIS COMPLETA DE CULTURA ERUDITA NA AMÉRICA PORTUGUESA NOS “SISTEMA FÍSICO E OUTROS TESOUROS DESCOBERTOS” PELOS JESUÍTAS JOSÉ MONTEIRO DA ROCHA E JOÃO DANIEL – SÉCULO XVIII

Eulália Maria Aparecida de Moraes

Resumo


Nas obras Tesouro Descoberto no Máximo Rio Amazonas (1757-1776) e Sistema Físico-Matemático dos Cometas (1759) dos jesuítas João Daniel (1722-1776) e José Monteiro da Rocha (1734-1819), respectivamente, buscamos compreender o momento da efervescência Iluminista do século das Luzes e o estatuto fundamental que alicerçou, para o religioso, a ideia de “natureza” no século XVIII. Os jesuítas encontram-se, ora como guardiões da visão Escolástica da Ordem, ora, transitoriamente, na interrupção do curso do pensamento Teológico para mostrarem-se conhecedores do desenvolvimento científico. Contudo, quando se trata das atividades intelectuais, não é fácil entendermos a relação entre Teologia, Filosofia e Ciência. De que forma os jesuítas a interpretaram, considerando o treinamento dentro de uma tradição Escolástica – com obediência ao Papa e à Fé Católica – mas, ao mesmo tempo, de interesses voltados para o desenvolvimento no campo da ciência da Natureza? Preocupados com a busca da verdade e o uso da razão, historicamente, a trajetória da existência da Companhia de Jesus coincidiu com o início da ciência moderna. Marcada por ambiguidades e contradições, apenas recentemente as investigações, buscam romper com a tradicional historiografia produzida nos dois últimos séculos – XIX e XX.

 

Palavras-chave: Jesuítas, Natureza, Iluminismo, Ciência Moderna, Século XVIII.

Keywords: Jesuits, Nature, Illuminism, Modern Science, XVIII Century.


Palavras-chave


Jesuítas; Natureza; Iluminismo; Ciência Moderna; Século XVIII

Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários