IMIGRAÇÃO UCRANIANA E COLONIZAÇÃO EM PRUDENTÓPOLIS (1895-1945)

Talita Seniuk, Maria Inêz Antônio Skavronski

Resumo


Em fins do século XIX e início do século XX, o Brasil, devido a alguns fatores internos, autoriza a vinda e a permanência de estrangeiros, estimulando a propaganda na Europa. Esse incentivo, aliado aos problemas econômicos, sociais e políticos que o Velho Continente apresentava nesse período, promoveu uma debandada de migrantes em busca de uma vida melhor. Dessa forma, os imigrantes que aceitaram lançar-se além-mar para colonizar o Brasil, eram na maioria das vezes, pessoas que sofriam muito e que através da publicidade aplicada na Europa, acreditavam que a vinda para um local novo poderia trazer uma vida menos sofrida e mais próspera. Uma das primeiras levas de imigrantes, vinda em 1896 e que foi a escolhida na pesquisa, fora assentada no município de Prudentópolis; mas é sabido que algumas famílias dessa corrente assim como de outras, também se instalaram em outros locais, mas na sua grande maioria dentro do Estado do Paraná. Não obstante os migrantes que precisaram transpor obstáculos familiares, financeiros, terrestres, marítimos, até tocarem o solo brasileiro na busca por seus sonhos, outras dificuldades também se mostraram bastantes expressivas desde o desembarque até o assentamento. As diferenças entre os dois continentes – Europa e América – sugeriam a ideia de que eram dois mundos distintos: clima, língua, alimentação, doenças, vestimentas, vegetação, leis, nada remetia a terra natal. Tudo era novo e desconhecido. Na esperança de mudar seus destinos e escrever uma nova história para suas famílias, muitos ucranianos tiveram suas vidas ceifadas enquanto tentavam alcançar o que consideravam melhor para seus descendentes.


Palavras-chave


Prudentópolis; Ucranianos; Colonização. Imigração.

Texto completo:

PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários