ÁGUA POTÁVEL EM PARANAGUÁ: POLÍTICAS DE SAÚDE PÚBLICA ENTRE DISCURSOS HIGIENISTAS E HÁBITOS INSALUBRES (1895-1915)

Alexandre Camargo de Sant ana, Sara Simas

Resumo


Este estudo aborda a origem da discussão sobre a necessidade da implantação de um sistema de distribuição de água potável em Paranaguá e a transformação deste ideal em realidade. A cidade passava por um êxodo urbano devido a insalubridade, principalmente a insalubridade do rio Itiberê, com a população migrando intensamente para o Porto Dom Pedro II, considerado na época um vilarejo afastado e desconectado de Paranaguá. Busca-se compreender as relações de forças entre população, poder público e poder privado, antes e depois da instalação da água potável e encanada em 1914. Nas duas décadas entre o primeiro edital e a conclusão do projeto de instalação da água potável encanada, aconteceram diversas negociações entre os atores políticos, sociais e econômicos, ora favorecendo um, ora outro, algumas vezes aproximando, outras vezes afastando os atores. O jogo de relações de poder foi se modificando e se adaptando às dificuldades e necessidades que surgiram pelo caminho, evidenciando uma dinâmica particular do contexto parnanguara. A passagem de uma cidade abastecida por fontes públicas e carroças pipas, para uma cidade com água potável encanada chegando às residências não aconteceu de forma planejada e controlada. Muito pelo contrário, a implantação de políticas de saúde pública a partir do discurso higienista foi tensa na maioria das vezes e no caso da água potável encanada não foi diferente. Apesar de ser um melhoramento bastante esperado e comemorado, essas políticas de saúde pública e de saneamento bateram de frente com antigos hábitos que precisavam ser deixados para trás. Uma nova legislação sobre os direitos e deveres dos cidadãos quanto ao consumo da água potável pretendia-se disciplinadora da população. Por outro lado, o poder público também precisou regulamentar a cobrança dos serviços quando o valor das tarifas se tornou abusivo. A pesquisa mostrou-se maior do que o esperado, fazendo surgir algumas questões que permanecem abertas e possibilitam uma ampliação das investigações. Mesmo sem fechar o assunto, o estudo permitiu compreender um período de grande transformação urbana e de implementação de políticas públicas de acesso à água potável e ao esgoto tratado em Paranaguá entre 1895 e 1915, evidenciando tanto o discurso higienista do poder público quanto os hábitos insalubres da população.


Palavras-chave


Água Potável; Paranaguá; Políticas de Saúde Pública; Discurso Higienista; Hábitos Insalubres

Texto completo:

Sem título PDF

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários