Representações do livro e do conhecimento no Iluminismo português: a biblioteca do Bispo de Beja

Jamaira Jurich Pillati

Resumo


Resumo: Quando se trata de aspectos culturais fortalecidos no século XVIII, a organização de bibliotecas, Academias de “Sciencias”, música e literatura foi um fenômeno comum aos reinos europeus afoitos por ostentar o legado e as práticas de cultura de suas majestades e suas cortes. Interessados na ascensão do reino através das luzes da razão e do cientificismo, pensadores e estudiosos de época passam a angariar coleções inteiras as instituições de educação e cultura. Em Portugal, apesar de suas peculiaridades na tradição erudita, não foi diferente. O presente projeto traz uma proposta de pesquisa que se atenha a essas relações estabelecidas entre os letrados iluministas, em Portugal, e sua relação com as bibliotecas, principais instituições de conhecimento. Para isso, parte-se das doações realizadas, através de documentos do Bispo Manuel do Cenáculo, um dos principais atores da reforma empregada pelo ministro durante a Era Pombalina.


Palavras-chave


Ilustração; Portugal; século XVIII; História da Leitura

Texto completo:

PDF